Oposição se desentende e sobra até para a base do prefeito

Os discursos feitos na tribuna durante a sessão desta quinta (05) na Câmara Municipal de Rio Branco foram cheios de palavras duras, cheias de indiretas e certo descontrole generalizado.

As alfinetadas começaram no pequeno expediente, com a vereadora Lene Petecão (PSD) ao questionar o posicionamento do presidente em exercício, Clézio Moreira (PSDB) ao se manifestar contra seus colegas do bloco de oposição ao prefeito Marcus Alexandre (PT). O caldo foi engrossando com as falas dos vereadores Roberto Duarte (PMDB) e N. Lima (DEM) ao criticarem o líder do prefeito, Eduardo Farias (PCdoB) que acusou a oposição de montar um “programa do Ratinho” no parlamento, mesmo não estando presente.

“Tem um vereador que lança todo tipo de nome para me definir, mas não diz o meu nome na lata e acusa a mim e meus colegas de tentarmos montar um circo ou um programa do Ratinho como ele sempre fala na tribuna. Estamos para defender o interesse da população e questionamos sim a maneira como foi montado o calendário de falas. Como que o grande expediente só estava a situação e o presidente tenta nos inibir de falar?”, disse N. Lima.

Em sua fala, Clézio se defendeu e disse que a CPI  dos Transportes só saiu devido sua assinatura e que ele não se escondeu como foi anunciado pela imprensa a mando de alguns vereadores.

“Tentaram me prejudicar anunciando na imprensa eu estava me escondendo e esquivando em assinar a criação, mas fui eu que dei a validade, como já havia combinado com o Roberto Duarte. Eu quero respeito comigo e não estou a serviço do prefeito como alguns dizem aqui, eu voto de acordo com minha consciência e o que julgo ser bom para nossa população. Como disse o vereador Rodrigo Forneck (PT) todos receberam o calendário com antecedência e só decidiram reclamar ontem”, destacou Clézio.

O presidente só esqueceu de combinar com Duarte a sua fala de hoje, pois no mesmo ato, Roberto desfez o discurso de Clézio.

“Meu nobre colega se esquece e se engana ao afirmar que a CPI só saiu graças a ele, ela só saiu do papel graças as assinaturas dos demais parlamentares e agora tenta jogar a culpa em mim ou nos outros. Reveja sua fala e ninguém foi a imprensa falar do senhor. Até o trabalho dos profissionais da imprensa devem ser respeitado”, frisou Duarte.

A briga sobrou até para o ex-presidente, Artêmio Costa (PSB).

“Eu enquanto servidor da Casa e responsável pelo calendário de falas nunca aconteceu esse tipo de situação. Agora querem atribuir a culpa aos funcionários desta Casa? Isso está errado. Nenhum funcionário age com interferência politica, mas seguindo um regimento. A meu ver foi falta de assunto da oposição, pois ela utilizou o pequeno expediente todo e a situação não reclamou”, enfatizou Artêmio.

Depois dessa colocação a coisa esquentou de vez. Lene rebateu as acusações de Artêmio.

“O senhor falta com a verdade vereador, o senhor é o primeiro e parece que gosta de jogar areia no ventilador, onde depois tira o corpo fora. O senhor quer jogar os funcionários contra os vereadores e isso não permitiremos. Respeitamos os funcionários deste parlamento como todos que aqui vem e trabalham. Pare de tentar fazer esse jogo”, desabafou Lene.


A situação só foi controlada após a vereadora Elzinha Mendonça (PDT) e a assessoria legislativa assumirem as rédeas da situação para da continuidade ao expediente. 

Comentários