quinta-feira, 29 de abril de 2010

Eu sou piegas I


A melhor coisa da vida é falar das boas coisas e dos sentimentos positivos. Um pequeno poema de Vinícius de Moraes, para alegrar nossa semana.

Quem já passou por essa vida e não viveu
Pode ser mais, mas sabe menos do que eu
Porque a vida só se dá pra quem se deu
Pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu
Ah, quem nunca curtiu uma paixão nunca vai ter nada, não
Não há mal pior do que a descrença
Mesmo o amor que não compensa é melhor que a solidão
Abre os teus braços, meu irmão, deixa cair
Pra que somar se a gente pode dividir
Eu francamente já não quero nem saber
De quem não vai porque tem medo de sofrer
Ai de quem não rasga o coração, esse não vai ter perdão Quem nunca curtiu uma paixão, nunca vai ter nada, não

Vida a vida com muita paixão - pelas pequenas e pelas grandes causas, pelas pessoas, pela simples razão de estar vivo. Abraços e tenha excelente semana. .

terça-feira, 27 de abril de 2010

Até aqui! Sou eu!


O caminho que Eu escolhi é o do Amor, Não importam as dores, nem as angústias. Nem as decepções que vou ter que encarar, Escolhi ser Verdadeiro. No meu caminho, o Abraço é apertado. O Aperto de Mão é sincero, Não estranhe a minha maneira de Sorrir. De te Desejar o Bem! Não estranhe se Eu me emocionar com a sua História... Se Eu chorar junto com Você... Afinal de contas, Sou um ser humano, que fez a opção pelo Bem. É assim que Eu enxergo a Vida! É só assim que Eu acredito que vale a pena Viver. Viver com Emoção, com Verdade... Viver com AMOR! Viver com o CORAÇÃO!!!

A morte não muda ninguém

Há sempre os que afirmam que ameaçar o criminoso com a morte tem o dom de mudar sua disposição, refreando-lhe os impulsos, pelo temor de sofrer a penalidade fatal.

Apoiados neste entendimento, defendem com vigor a pena de morte como a solução ideal para aliviar a pesada carga social de crimes e criminosos.

O doutor Yan Stevenson, da Universidade da Virgínia, conhecido mundialmente por suas pesquisas em torno da reencarnação, teve oportunidade de dialogar com um jovem do Ceilão, que nasceu com marcas profundas pelo corpo.

Uma enorme cicatriz no peito e o braço direito atrofiado por completo. Tem ele recordações muito nítidas de trechos de sua vida anterior.

Recorda-se de ter vivido antes no próprio Ceilão. Lembra-se de, conforme rezam as tradições daquele país, ter contraído matrimônio civil com uma jovem e marcado a data para a realização da cerimônia religiosa para alguns meses depois.

Nesse período de tempo começou a construir a casa para onde deveria levar sua esposa e passou a sonhar com uma vida de muita felicidade.

Contudo, com o passar do tempo, a moça apaixonou-se por outro rapaz e pediu o rompimento do compromisso.

O jovem abandonado tomou-se de revolta e planejou terrível vingança. Mataria a noiva infiel e culparia o seu próprio rival. Assim pensou e assim fez.

Numa noite escura, protegido pelas sombras, ele a apunhalou certeiramente no coração.

Mas, foi visto por testemunhas. Foi preso, julgado e condenado a morrer pela forca.

Renasceu como filho de seu irmão e, além da problemática física, também tinha lembranças atormentadoras do momento em que se faziam testes com a forca para ver se funcionava bem. Lembrava-se ainda dos dias que passou no presídio e que antecederam sua morte.

A esse jovem, que tão bem recorda de sua morte na forca e a causa que a originou, perguntou o pesquisador doutor Yan Stevenson: Se voltasse a acontecer com você o que aconteceu no passado, como você procederia?

O rapaz respondeu prontamente: Com toda a certeza, voltaria a matar.

* * *

Verdadeiramente, sacrificar a vida do criminoso não o educa, nem o regenera.

A educação ou a reeducação é um processo lento, que não se realiza sem afeto e dedicação. Processo que se exterioriza nos atos do ser, mas que tem sua origem na intimidade da criatura.

Para acabar com o crime, a violência, há que se percorrer o longo caminho da educação, que demanda esforço, dedicação e tempo. No entanto, exatamente como a medicação correta, agirá atacando o mal pela raiz, porque modifica a causa do problema e o transforma.

* * *

Na Bíblia encontramos anotações que nos informam que o Pai não quer a morte do pecador, mas sim a do pecado.

E essa afirmação nos diz exatamente o caminho que devemos seguir quando pensamos em acabar com o mal que tanto nos aflige.

sábado, 24 de abril de 2010

Para os românticos como eu


Quando falo em amor, posso deixar transparecer que também acredito naquele amor dos contos de fadas, aqueles do tipo FELIZES PARA SEMPRE… Não acredito. Entendo que esse é um sentimento complexo e exercê-lo demanda mais que desejo – demanda decisão.

Qualquer relação passa por altos e baixos e isso faz parte. Afinal todos somos humanos e, enquanto tal, erramos, acertamos, ganhamos e perdemos… Até aí tudo bem… A questão é que grande parte de nós – além de não entender o que é uma relação – não amadureceu para tal. Confunde o amor com posse, controle, sofrimento.

Problemas

Entende que viver um relacionamento depende do abrir mão de suas vidas, seus sonhos, seu ser. E essa é a parte que deveria ser melhor analisada… Quando o amor se torna um filme de terror e o sofrer impera sobre qualquer outro sentimento, problema à vista…

Fica óbvio para os outros quando estamos nessa enrascada e, para eles – de fora – é visível que seremos abandonados ou abandonaremos. A relação dá sinais… Você deve conhecer casais cuja a relação é essa – brigas, dor, sofrimento, controle, posse… Não evolui – não sobra espaço ou tempo para um e outro…

Nesses casos nos abandonamos muito antes de deixar o outro ou a relação. Abandonamo-nos porque é o que podemos. Deixamos de lado tudo que somos para viver em função da relação doente, dos sentimentos confusos, dos pensamentos errados.

Tarde demais

Fica tudo mais complexo. Não conseguimos enxergar o quando ou quanto nos abandonamos… Não compreendemos que teremos de lidar com o nosso abandono antes mesmo de compreender o quanto a relação está comprometida. E talvez aí seja tarde demais para os investimos nosso tempo em autoconhecimento, alimentamos nosso físico, mental e emocional – talvez até o espiritual.

É incrível como tudo muda ao redor… Primeiro muda nossa motivação, depois nossa prioridade e, por fim, a relação.

Milagre? Não. O tempo que perdemos controlando o outro é enorme. O tempo que ficamos PARALIZADOS, imaginando porque ele não ligou, porque não veio, porque mentiu, porque não nos ama, por quê?!? É absurdo.

E até nos momentos que deveríamos aproveitar para rever a nós mesmos – aquele cmomento com as(os) amigas(os), a terapia, a ginástica –, mesmo nesses momentos únicos, nossos, estamos lá, falando do outro qualificando e desqualificando a relação e isso não leva a nada…

Primeiro porque não vamos entrar na cabeça do outro e tirar de lá o que nem ele mesmo sabe. Segundo porque quando perdemos nosso tempo falando do outro – tiramos de nós a responsabilidade de fazer diferente.

Deixamos de lado nosso poder de fazer e acontecer – com ou sem esse outro… E isso é imperdoável! Cobramos-nos, não nos aceitamos, morremos…

Então? É desse amor distorcido que tenho falado. Um amor que não leva a nada à medida que não é de dois – é de um que cobra e traz para si o remar, a canoa, o rio, a vida e CARREGA LITERALMENTE O OUTRO…

E, dessa forma, não há relação, ou melhor, não há qualquer ser humano que possa deixar de lado o sofrer… A dor é real está lá e não há muito a fazer… Agora viver em sofrimento, bem, esse sim é opcional. Lembre-se: podemos abrir mão dele e de tudo o que nos faz tristes. Até mesmo de um amor do tipo ruim com ele pior sem ele…

Se estiver ruim não é bom – não faz bem… O convite aqui é para olhar mesmo o que se vive, o que se tem e abrir mão de tudo o que está demais.

sábado, 17 de abril de 2010

Saiba mais sobre Victor Augusto(Bombomzão), o jornalista que não virou a cabeça de Madonna e de nenhuma outra mulher


Inspirado em uma entrevista com o modelo Jesus Luz,eu decidi fazer algo semelhante comigo e para mim(além de vocês que acompanham o blog). Algumas partes revelam minha frustração pela ausência de um relacionamento amoroso


O Jornalista Victor Augusto tem levado suas experiências vividas em estágios para seus mais recentes trabalhos, mostrando-os para o país e o mundo. Além de propostas cada vez mais concorridas, o namorado de Ninguém segue esbanjando simpatia, bom humor e amizade(só isso que ele faz e nenhum pouco de sensualidade nas páginas das publicações mais importantes do universo da moda). A seguir, você vai descobrir traços da personalidade do profissional da comunicação só a Senhora sua mãe e mais umas duas a três pessoas .

Nome completo: Victor Augusto Nogueira de Farias

Data de nascimento: 05/06/1987

Apelido: Vi, Vituxu ou Bombomzão.

O que gosta de fazer quando não tem nada para fazer? Ler, malhar. Não consigo ficar sem fazer nada.

Qual é o melhor lugar do mundo? Ah, essa não vale! Os braços quentes e carinhosos da Bia, claro!

Onde e como foi mais feliz? Quando aprendi o valor de uma amizade em um momento critico.

Qual é o seu maior motivo de orgulho? Além de ser Brasileiro, acima de tudo ser Acreano com E!

E de arrependimento? De não ter me preparado antes para reagir ao que as pessoas negativas falam.

Qual a coisa mais importante que fez na vida? Tive a oportunidade de ajudar minha família.

Por que se considera uma pessoa especial? Porque tento ser eu mesmo, sempre seguindo os ensinamentos religiosos e a educação que meus pais me proporcionaram.

Por que se considera uma pessoa chata? Porque muitas vezes penso que sei tudo e se não sei vou atrás para provar que sou ou sei.

O que não pode faltar no seu prato? Tirando a comida, posso sempre contar com a ajuda de talheres ou aquela velha colherzinha (sou neto de seringueiro, tenho frescura não)! Como de quase tudo sem problemas.

Qual é a música da sua vida? "A Lista", Oswaldo Montenegro.

O que não pode viver sem? Bom humor, educação, Sexo(quando consigo fazer..aff) e tomar banho(piscina, rio, açude, igarapé, tanque, bacia, cuiá, chuveiro, chuva(amo) ou praia).

Com quem gostaria de ir para uma lha deserta? Hummm ... Adivinha? A mulher d minha vida.

Quem deixaria lá? Rapaz.. Se eu for citar, vai parecer uma listinha de rifa oh, tem até um bucadinho.

O que tem na sua mesinha de cabeceira agora? Uma porrada de cacareco que só eu e Deus sabemos de suas utilidades, além das fotos das delicias da minha vida.

Qual a maior extravagância que fez na vida? Na verdade faço todo dia: Revidar alhums ofenças e humilhações que sofri, com tapa de luva de pelica.

E a maior burrada? Ter ficado um tempão lutando contra meus sentimentos.

Cite um luxo que não pode faltar na sua rotina? Felicidade em excesso.

Se ganhasse R$ 1 milhão agora, o que faria? Iá ficar "bunito".

O que não deixa para fazer amanhã? Meu trabalho. Sou bem ansioso e quero sempre finalizar tudo o mais rápido possível.

Qual é o melhor conselho? O que vem da minha própria consciência.

E a maior roubada? Confiar demais nas pessoas, a ponto de me entregarde corpo e alma.

Do que tem medo? De perder minha memória. Já que vivi momentos fantasticos ao lado de pessoas fabulosas.

Se não fosse Jornalista seria? Advogado.

Fazenda da Esperança

"Se houvesse sonhos para vender, que sonho comprarias? ? ?"


terça-feira, 13 de abril de 2010

Falando de Sexo com Laura Muller


Sexta-feira passada foi dia de eu conversar com uma porrada de gente e com a Laura Muler sobre algo tão bom e tão "vergonhoso", para aqueles que não conhecem ou aprontam por ai, mas foi super bom e fiquei até amigo dela, trocamos contatos e tudo. Parabéns a minha amiga Surama pelo grande evento.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Tuitadas

Como todo aquele que tem twitter, eu estava buscando saber coisas sobre as pessoas que eu sigo e elas me seguem, quando vejo uma foto que minha amiga Adréa colocou e de fato, a foto parece ser muito suspeita..rsrs

Minha necessidade é você



"Não sei porquei estudei tanto na minha vida, se tudo o que eu preciso saber que está na geografia dos seu corpo, na história dos seus olhos e na química dos seus beijos."

sábado, 3 de abril de 2010

Faço tudo pra vc...


Não é a altura, nem o peso, nem os músculos que tornam uma pessoa grande, é a sua sensibilidade sem tamanho.

Quem tem pressa come cú!


ACONTECEU SENHORAS E SENHORES, na semana passada, durante transmissao da rádio Tupi FM, de São Paulo:



Locutor: Quem fala?


Ouvinte: É o Vicente!


Locutor: Opa! De onde, Vicente?


Ouvinte: da Lapa!


Locutor: Olha aí, Vicente da Lapa! Valendo o kit com camiseta e CD do Edson e Hudson. Presta bem atenção! Qual é o país que tem duas sílabas e se pode comer uma delas? Vamos lá, prestou bem atenção? Há um país com duas sílabas, e uma delas é muito boa pra se comer. Dez segundos para responder, valendo!!!


(silêncio....)


Ouvinte: CUBA!!!!!!!!!!


Locutor (mudo por alguns segundos, silêncio no estúdio, interrompido por algumas risadas ao fundo): Tá certo, senhor Vicente! Vai levar o prêmio pela criatividade. Mas aqui na minha ficha estava escrito JAPÃO

quinta-feira, 1 de abril de 2010

♥ De ser feliz"♥


♫"Todo mundo ama um dia, todo mundo chora
Um dia a gente chega, no outro vai embora
Cada um de nós compõe a sua história
E cada ser em si carrega o dom de ser capaz♫

♥ De ser feliz"♥

Verdadeira Ilha de Lost é descoberta


Por Sherlock Crusoé da Silva, Redação Yahoo! Brasil

O Serviço Secreto Britânico acredita ter encontrado a verdadeira Ilha de Lost, um arquipélago remoto que, surpreendentemente, parece ter inspirado a criação do seriado norte-americano.

A descoberta foi feita por acaso, no ato da prisão de piratas somalis que haviam sequestrado um cargueiro norueguês no golfo de Áden. Com os piratas, foi encontrado um mapa que mostrava a localização de uma ilha. Enviados ao local, agentes da SAS, a tropa de elite da Força Aérea inglesa, relataram que a área está sob forte influência de um campo eletromagnético até então desconhecido.

O que mais deixou os agentes perplexos foi a descoberta de destroços de um avião Boeing 737 sem nenhum vestígio de corpo por perto. No avião, havia apenas um caixão, vazio, no compartimento de bagagens. Na ilha, havia ainda um cão da raça labrador com uma coleira em que se lê o nome Vincent.

O coronel John Smith, fã da série Lost, foi quem primeiro atentou para as coincidências. "Em 20 anos de SAS, nunca havia ficado tão assustado", confessou. Os piratas somalis usavam a ilha como esconderijo. Havia um bunker com uma escotilha no topo e uma sequência de números - 4, 8, 15, 16, 23 e 42. Os militares dizem não saber o que isso significa.

A ilha ainda não foi batizada. Um agente sugeriu o nome "Lost" ("Perdido", em inglês), mas outro argumentou que isso não fazia sentido, já que a ilha não estava mais perdida. Como ela foi descoberta por militares britânicos, caberá à Rainha Elizabeth II o batismo da ilha.

Dos quatro piratas somalis presos, dois, curiosamente, usavam camisas do Botafogo. Um deles se chamava Paulinho Criciúma, um nome pouco comum na Somália. Eles dançavam ao som do Rebolation quando foram surpreendidos pelos agentes britânicos.

Dentre o material apreendido com os piratas constavam três caixas de CDs do Biquini Cavadão, dezenas de latas de goiabada Cascão e garrafas vazias de Guaraná Jesus. Um imenso tonel cor de rosa levou o Serviço Secreto Britânico a concluir que o local era usado para fabricação pirata da bebida, que depois seria vendida em camelôs das ruas da Tanzânia.

Caro leitor, esta notícia é um trote de 1º. de abril.